RULE OF THIRDS

O fascinante nesta abordagem criativa, a partir de uma obra fotográfica, não é somente o confronto com o acto de criar a partir de uma imagem, mas também toda a dramaturgia em torno desse corte temporal incapaz de anular por completo a sugestão de movimento.O corpo em pausa.Um foco sobre a beleza formal de um momento, o seu conteúdo expressivo, o acaso objectivo, a compreensão através do olhar. A poética ambígua do visível onde o detalhe do gesto se encontra e é intrínseco ao acto de nos movermos, numa linguagem própria, que nos fala sem uso da palavra. O processo é como uma fotografia bem enquadrada. Sensibilidade, intuição e sentido de geometria. O domínio do tempo e o controlo do espaço num olhar sobre a vida. O enquadramento natural do instinto humano numa colecção de instantes captados por Henri Cartier-Bresson e utilizados como mote coreográfico. O lado mais humano e real do sujeito captado de forma excepcionalmente natural e exímia.O palco como enquadramento do corpo em tempo real.

Conceito e coreografia | António Cabrita e São CastroInterpretação | António Cabrita, São Castro, Luís Malaquias, Margarida Belo Costa Figurinos | Nuno NogueiraDesenho de Luz | Vitor JoséProjecto financiado por DGArtes – Direção-Geral das Artes | Produção - Vo’Arte | Co-Produção - Culturgest / Teatro Viriato | Apoio - Centro Cultural de Belém, Companhia Nacional de BailadoApoio Residências Artísticas | DansBrabant / Tilburg; StudioTrade Network; O Espaço do Tempo

WEBSITE  PROGRAMAÇÃO E DESIGN : ANTONIO CABRITA            FOTOGRAFIAS : SUSANA PEREIRA | CARLOS PERIRA | K. DILGER | AUGUSTO CABRITA | PATRICE ALMEIDA | RUI APOLINÁRIO